Sem categoria

O tempo das Marchas

  Washington, DC. – Chegou o tempo das marchas. Marcha das Mulheres, Marcha pela Ciência, Marcha contra Mudança Climática. Elas estão levando para as ruas jovens, crianças, adultos, idosos, ativistas e não ativistas. As marchas estão ganhando crescente atenção da mídia nos EUA. Com a grande mídia as marchas tem uma aliança não escrita: elas são indicadores do humor da opinião publica sobre os governos e sobre os temas em pauta. Elas oferecem imagens e momentos icônicos de seus propósitos e ajudam a celebrar princípios democráticos. O tempo das marchas foi dado pela chegada de Donald Trump na presidência dos EUA. Seu discurso e sua prática contradizem e solapam inúmeras conquistas sociais, científicas e políticas dos últimos anos. A mensagem política das marchas é essa: um presidente não tem poder absoluto, e não é apenas um Congresso limitado e majoritariamente conservador que irá fazer o contrapeso ao poder presidencial. As…

EUA

Reagindo perigosamente

  Armas químicas foram usadas na Síria e mataram centenas de pessoas, incluindo crianças. As fotos e vídeos desse ataque transmitidos pelas agências de notícias e redes sociais são chocantes.  Quem atacou? De onde saíram as armas? Qualquer ataque deve ser analisado por peritos independentes. Mas o timing dos EUA se adiantou à prudência e à legalidade. Mudando o curso de sua política externa, como candidato e já como presidente, Donald Trump voltou atrás na sua posição sobre a Síria. Trump afirmou que não iria confrontar o presidente sírio. Assad seria útil, inclusive, como inimigo do Estado Islâmico – este sim, desde sempre, o grande alvo de Trump, desde a campanha. Como se indispor contra Assad, sendo ele mesmo um aliado contra o ISIS? Além disso, os russos apoiam Assad, e Trump tem se dado bem com Putin… O ataque mortal contra os sírios – mais do que isso, sua…

EUA

Para aonde vão os EUA?

Para aonde vão os Estados Unidos? É o que perguntam muitos estrangeiros, de chefes de Estado e jornalistas a leigos em assuntos internacionais, diariamente nos meios de comunicação e nos papos de café. Donald Trump, em seus primeiros cem dias, tem se mostrado errático e sem uma orientação clara e racional que se espera de um presidente. A diplomacia é um dos casos mais dramáticos do atual cenário na perspectiva americana. O novo Secretario de Estado, Rex Tillerson, ex-alto executivo da Exxon, empresa de petróleo, com seu estilo de poucas palavras e de fugir de entrevistas, está criando um clima de paranoia dentro da burocracia diplomática americana. Há muito tempo que os EUA cultivam e exercem a chamada diplomacia pública, algo em que o Departamento de Estado se tornou modelo de atuação para outras diplomacias no mundo. É a diplomacia das relações públicas, em que a todo o momento o…

EUA

Trumpcare: primeira grande derrota no Congresso

  Usando de sua prerrogativa de Presidente, mas igualmente da prepotência de sua personalidade, Donald Trump deu um ultimato aos deputados republicanos para votar o repúdio ao Obamacare e aprovar o Trumpcare. Contando com o apoio de seu principal aliado, o Presidente da Casa, Paul Ryan, o projeto entrou em votação, mas imediatamente ficou claro que seria derrotado. Ryan suspendeu a votação, amargando para ele pessoalmente, e para Trump, a primeira derrota. Possivelmente uma das maiores que se verá no curso de seu mandato. Um mapeamento feito sobre a opinião dos deputados republicanos sobre o repúdio ao Obamacare mostrou que cerca de 34 parlamentares republicanos não votariam a favor de Trump. Isso mostra um alto nível de infidelidade partidária.  Dentre as razões desse comportamento estão o relatório do Comitê do Congresso que apontou perda de seguro-saúde para milhões de americanos, caso o Obamacare fosse derrogado, e a pouca clareza sobre…

Américas

Audiência da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA sobre Decretos de Trump

Entre 15 e 22 de março, durante o 161º período de sessões, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da OEA realizou uma série de audiências públicas em sua sede, em Washington, DC, sobre casos de violações de Direitos Humanos nas Américas. Essas audiências públicas são uma oportunidade para a sociedade civil organizada – representada por ONGs de Direitos Humanos, altamente especializadas nos temas discutidos, bem como clínicas jurídicas (Escritórios-Modelo) de Universidades e outros atores da sociedade civil – se manifestarem para tornar público e informar a CIDH sobre os fatos e sobre as violações ocorridas ou em curso. Em 21.03, uma terça-feira já de primavera, a CIDH realizou audiências sobre a ordens executivas do Presidente Donald Trump relacionadas à “Incremento da segurança fronteiriça e imigração”, “Proteção do país contra o ingresso de terroristas estrangeiros nos EUA” e “Aceleração dos processos de revisão e aprovação ambiental para os projetos de…