Agenda

Santos recebe o festiva de dança Fidifest, até domingo

Texto Carlota Cafiero / Fotos Nirley Sena Enquanto Brasília pega fogo, Santos dança, literalmente. Vai até domingo o Fidifest – Fall in Dance Festival, o mais importante evento do gênero da Baixada Santista, que reúne todas as linguagens num único palco, o do Teatro Municipal Braz Cubas. Inspirado em festival de mesmo nome, em Nova Iorque, o Fidifest é uma mostra competitiva, que está na quarta edição, em que coreografias de diferentes estilos, níveis e categorias são avaliadas e premiadas por um júri profissional. Os prêmios vão de troféus a dinheiro (R$ 2 mil), e os vencedores serão conhecidos no domingo. Todas as apresentações são abertas ao público, ao preço popular de R$ 10,00. A curadoria é do bailarino Marcio Rongetti, que atuou em diversas companhias. Ele tem 46 anos de carreira e participa pelo quarto ano do festival, também como jurado. “O que mais me entusiasma neste festival é ver…

Agenda

Gotas de Codeína ocupa Anchieta, em Santos

Texto  Carlota Cafiero / Foto Luiz Fernando Menezes No ensaio Está todo mundo Deprimido, o psicanalista, escritor e apresentador Jorge Forbes afirma que não existem mais termômetros de certo e errado que orientavam as pessoas em suas decisões e sentimentos: “Com o fim desse maniqueísmo, os tempos atuais exigem maior responsabilidade individual no seu bem-estar. Aí, muitos fraquejam”. De fato, viver como se deseja dá trabalho e magoa muita gente. Mas, não viver como se deseja também gera muito sofrimento. É o que mostra o monólogo Gotas de Codeína, com texto de Diego Lourenço e atuação de Luiz Fernando Almeida, que estreou há dois anos, em Santos, num lugar inusitado: o apartamento do ator. Com direção de Paula D’Albuquerque e Kadu Verissimo, a obra volta a ser apresentada, hoje (26), às 21h, e amanhã (27), 19h, em lugar ainda mais inusitado: na extinta Casa de Saúde Anchieta, na Cidade, antigo…

Cotidiano

Terror segue na Indonésia: 141 presos por suposta festa gay

A polícia da Indonésia prendeu 141 homens que supostamente participavam em uma festa gay em uma sauna, anunciaram as autoridades, na mais recente operação de repressão contra os homossexuais no país muçulmano de maior população do mundo. As autoridades compareceram na tarde de domingo ao edifício Atlantis da capital Jacarta, que tem uma sauna e um ginásio. “Nossos agentes realizaram uma investigação sigilosa e executaram uma operação no local no domingo”, informou à AFP o detetive Nasriadi, que como muitos indonésios é identificado com apenas um nome. A homossexualidade não é ilegal na Indonésia, com exceção da província conservadora de Aceh. Nasriadi afirmou que 10 pessoas detidas podem ser acusadas com base na dura legislação contra a pornografia. Entre estes detidos estão os supostos organizadores do evento e também homens que supostamente trabalhavam com a prostituição ou eram strippers. As acusações podem ser punidas com até 10 anos de prisão….

Cotidiano

Bangladesh prende 27 por serem homossexuais; dois são condenados a espancamento na Indonésia

A polícia de Bangladesh prendeu 27 homens nesta sexta-feira (19) em uma operação contra a homossexualidade no país conservador de maioria muçulmana, onde os relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo são considerados um crime. O Batalhão de Ação Rápida (RAB), uma força de segurança de elite, informou que invadiu um centro comunitário na zona sul da capital Dacca donde os homens estavam reunidos. Os policiais encontraram drogas e preservativos no local, afirmou o general Manzur, identificado apenas pelo primeiro nome e sua patente. “Prendemos 27 pessoas por homossexualidade. São homossexuais. Estavam reunidos no local”, afirmou à AFP.  O general completou que a polícia apresentará acusações contra os 27 homens, mas não especificou qual lei será utilizada. Bangladesh criminaliza as relações homossexuais com uma lei do período colonial britânico que nunca foi revogada, mas que é adotada em poucas ocasiões. Os gays e lésbicas sofrem grande discriminação em Bangladesh e outros…

Cotidiano

“Apesar de ser vista como algo ruim, a pornografia é a nossa maior expressão”

Por Carlota Cafiero / Fotos Nirley Sena À primeira vista, não há nada de diferente no visual de Nerone Prandi. Ele recebe a reportagem vestindo jeans, camiseta preta e botas. A barba é espessa e há algumas tatuagens nos braços. Quando precisa ler algo, ele coloca os óculos. Aí é que um detalhe se revela: todas as unhas de suas mãos estão pintadas com esmalte nude. Prandi também costuma pintar os olhos com sombra e delineador pretos, mas, excepcionalmente na manhã de ontem, ele não teve tempo de se maquiar. Saiu correndo de casa, em São Paulo, para montar sua exposição de cartuns Le Corps Dans (que, traduzindo livremente do francês, quer dizer No Organismo no MISS (Museu da Imagem e do Som de Santos).A mostra é uma das atrações da 6ª Sansex – Mostra da Diversidade, que vai até sábado, com exibição de filmes, debates e oficina (saiba mais…