Campeonato Paulista

Santos joga para o gasto no ABC. Copete cava uma vaga entre os titulares

O Santos jogou o suficiente para bater o Santo André por 1 a 0 e encaminhar sua ida para as quartas de final do Paulista. Com Ricardo Oliveira, Bruno Henrique e Vitor Bueno apagados, a equipe agrediu pouco o adversário no primeiro tempo e só foi resolver o duelo a partir da entrada de Copete, na segunda etapa. O atacante colombiano, cuja entrada foi muito pedida pela torcida santista no ABC, ficou menos de 30 minutos em campo e aproveitou bem sua chance. O cabeceio firme para as redes, a movimentação intensa lá na frente e a característica de lutar o tempo inteiro quando não tem a bola fazem com que Copete se credencie novamente para voltar ao time titular. A entrega de Copete contrasta com a falta de intensidade de Vitor Bueno, que, apagado, deu lugar a Hernández no intervalo. Neste sábado, o camisa 7 perdeu algumas bolas e…

Campeonato Paulista

Rendendo menos que o esperado, Santos deve evitar vexame da queda na 1ª fase do Paulista

A primeira das três partidas que vão decidir o futuro do Santos no Paulista teve um desfecho positivo graças a Lucas Lima. Melhor em campo, ele liderou o Santos em Sorocaba e, com uma boa atuação na segunda etapa, foi fundamental na vitória por 2 a 0 contra o São Bento. O primeiro tempo foi entediante, com apenas uma finalização perigosa por parte do Santos. Kayke, que segue devendo, chutou para fora a única chance realmente perigosa do Peixe. O limitado São Bento também não conseguia criar problemas. No segundo tempo, em 20 minutos, o Santos resolveu sua vida e construiu seu caminho para a liderança do grupo. Lucas Lima, sempre cobrado para que marque mais gols, deu uma assistência de presente para o contestado Vitor Bueno e, em seguida, fechou a vitória em um lance de habilidade, com um drible curto em cima do goleiro. A expulsão de Bebeto facilitou…

Opinião

Turbulência na Vila: caldeirão em xeque e risco de eliminação no Paulista

Acostumado a passar longos períodos sem perder na Vila, o Santos virou presa fácil para seus adversários dentro do estádio que, um dia, foi chamado de alçapão. Diante de públicos pequenos e repleto de vidros que prejudicam o clima de caldeirão, o Peixe, tradicionalmente forte dentro de casa e fraco fora dela, já não consegue cumprir o seu dever em seus domínios. Pior: virou saco de pancadas para os rivais em um palco que deixa de ser temido por outros times. A declaração de Felipe Melo comprova que a Vila, que já foi apontada como um dos estádios mais intimidadores do Brasil, não assusta como antes, além de não proporcionar dinheiro aos cofres alvinegros. Em um ano de Libertadores, ter a garantia de jogar ao menos três partidas em casa mobiliza qualquer grande torcida, que compreende a dimensão da competição e geralmente aceita pagar mais caro pelo ingresso. O Santos…

Campeonato Paulista

Derrota para o Palmeiras expõe instabilidade do Santos e má fase de Zeca e Vitor Bueno

Foram incontáveis oportunidades de gol. Uma chance inacreditável desperdiçada por Vitor Bueno, que talvez tenha decretado sua saída do time titular. Milagres operados por Fernando Prass. E, como prega a velha máxima do “quem não faz, toma”, o Santos, em três minutos, saiu da lua de mel com a torcida, entusiasmada com o gol de Ricardo Oliveira, para voltar a viver um ambiente conturbado. Uma reviravolta que pode ser explicada pelo fato de o time ter recuado nos minutos finais e permitido que o Palmeiras, mais eficiente nos momentos decisivos, avançasse. A instabilidade em momentos importantes é uma das marcas negativas do trabalho de Dorival Júnior desde 2015. É comum ver o Santos tecnicamente bem, com um volume de jogo interessante, mas sempre tropeçando na hora de matar os confrontos, o que provoca quedas inexplicáveis. Basta voltar um pouco no tempo para constatar que os apagões acompanham o Peixe desde…