Copa Libertadores

Evolução ofensiva para não cair nas oitavas

Se diante do frágil Real Garcilaso o Santos não consegue marcar, o que podemos projetar para às oitavas de final, quando o adversário pode ser um Racing, um Independiente, um Boca Juniors ou um Flamengo? O Santos fez mais uma partida ruim e não conseguiu sair do 0 a 0 contra o time peruano. O Real Garcilaso, que terminou a primeira fase na lanterna do Grupo 6, veio à Vila Belmiro para se defender. E aí foi aquele sofrimento. O Peixe não tem conseguido emplacar boas apresentações em nenhuma condição, mas quando pega um adversário fechado, a situação é ainda pior. Desorganizado, o alvinegro ficou com a bola praticamente durante todo o jogo (72% de posse de bola), mas ninguém demonstrou saber o que fazer para furar as duas linhas defensivas, de cinco e quatro jogadores, respectivamente. O que se viu foram muitas tentativas de chutes de longa distância, entretanto…

Campeonato Brasileiro

Mais um dia de futebol ruim, derrota e preocupação

“O time deles é grande, buscou desde o primeiro minuto. Acho que faltou para gente ter a mesma vontade”. A frase dita por Gabriel, na saída do gramado do Morumbi após a derrota por 1 a 0 para o São Paulo, expõe a situação que mais incomoda nesse Santos. É notória a necessidade de peças para qualificar esse elenco, principalmente no meio-campo, mas a falta de brio e vibração apresentadas mais uma vez, não tem explicação. O primeiro minuto de jogo já apresentou o que seria a tônica da maior parte da partida. Um adversário ligado, cheio de vontade e com a marcação alta, diante de um Santos acanhado e sem pegada. Em 15 minutos o São Paulo poderia ter marcado três vezes, não fosse a ineficiência nas finalizações. Os espaços deixados na entrada da área e nas laterais foram assustadores. Dodô tentou ajudar Rodrygo pela esquerda, mas não teve…

Copa do Brasil

“Novas peças”, o mesmo futebol

O Santos foi para Lucas do Rio Verde, em Mato Grosso, com a classificação mais do que encaminhada. A vantagem de 5 a 1 construída no primeiro jogo, na Vila Belmiro, permitiu que o treinador Jair Ventura iniciasse a partida com nove reservas. Seria a chance para atletas que tem tido menos oportunidades mostrarem serviço, mas não foi o que aconteceu. Em mais uma partida lastimável, o Peixe acabou derrotado, por 2 a 1, pelo Luverdense, equipe que disputa apenas a terceira divisão nacional. Novamente vimos um setor ofensivo que não consegue criar, um sistema defensivo que comete erros primários e uma apatia geral descomunal, o que é o mais preocupante. No Início do jogo, o alvinegro até deu mostras de que comandaria as ações durante a partida, mas essa impressão se desfez pouco depois. Mesmo saindo na frente, com um gol contra, o Santos não conseguiu se impor. Pelo…

Campeonato Brasileiro

Missão cumprida (apesar do combo Jean Mota e Vitor Bueno)

O Santos precisou de apenas 45 minutos de um futebol razoável para balançar as redes do Paraná três vezes e fazer a sua lição de casa. Resultado à parte, ver um jogo do time de Jair Ventura hoje desgasta a maior parte da torcida do Santos, que não suporta mais o combo Jean Mota e Vitor Bueno e não entende como um meio-campista (badalado ou não) ainda não foi contratado. Juntos, Jean Mota e Vitor Bueno reúnem quase todas as características que o meio-campo de um bom time não deve ter: não surgem como opção de passe para os zagueiros e laterais, são maus passadores, não têm uma dinâmica de jogo interessante e se posicionam mal, deixando um buraco nítido no setor. As limitações de Jean Mota e Vitor Bueno travaram o Santos durante o primeiro tempo inteiro. O Peixe pegava a bola e girava, girava, girava, girava… A inexistência…