Campeonato Paulista

Mais fraco que em 2017, Santos realmente entra no Paulista como quarta força

Em suas últimas entrevistas, Jair Ventura vem tentando se desvencilhar do rótulo de quarta força do estado, mas o Santos merece a designação. A equipe perdeu dois pilares de sua espinha dorsal – Lucas Lima e Ricardo Oliveira – e trouxe apenas dois jogadores que disputaram a Série B em 2017, Sasha e Romário. Além do calendário atípico em razão da Copa do Mundo – foram apenas duas semanas de pré-temporada -, o Santos, prejudicado pelas eleições, demorou demais para se estruturar para 2018. Peres, que dizia ter um executivo engatilhado às vésperas do pleito, levou muito tempo para anunciar Gustavo Vieira e resolver o imbróglio da rescisão de Jair com o Botafogo. Essa demora para anunciar Gustavo e Jair, aliada à falta de dinheiro, faz com que o Peixe entre em campo hoje à noite, contra o Linense, com o que sobrou do terrível fim de Brasileirão do ano…

Opinião

Molecada santista ganha força na Copinha

Com a vitória sobre o Atlético-PR nesta segunda-feira, o Santos finalmente chegou à etapa mais cascuda da Copinha. Depois de jogos fracos na primeira fase, melhorou o nível dos adversários e também dos próprios jogadores do Peixe. Quem tem mais chances de pintar entre os profissionais em um futuro próximo é Calabres, de quem já falamos neste espaço recentemente. Responsável por três gols e cinco assistências, ele tem o chute de fora como uma de suas principais armas – algo raro no Brasil atualmente. Além disso, se desloca bem pelo gramado, chegando a ajudar na defesa em alguns instantes. Seja como meia ou volante, Jair deve observá-lo e colocá-lo para treinar com a equipe adulta. É inevitável citar a sorte que Calabres e o Santos tiveram no lance do primeiro gol alvinegro em Franca. O morrinho artilheiro matou o goleiro atleticano e deixou o Peixe em vantagem. O lado bom…

Opinião

Comprometimento: a principal contribuição de Sasha ao Santos

Alexandre Alliatti, do Globoesporte.com, publicou um bom texto explicando as características de Eduardo Sasha, a última contratação do Santos. O relato do jornalista indica que o ex-colorado não chega para substituir Ricardo Oliveira, mas sim para brigar pela posição com o colombiano Copete. Sasha é um jogador que gosta de jogar pelos lados de campo, não um centroavante. Marca a saída de bola, prefere finalizações cruzadas e leva a sério as recomendações táticas dos treinadores. Sua virtude mais reconhecida pela torcida do Inter é o esforço. Comprometido, não costuma desistir das jogadas e encarna o perfil de jogador brigador – características que fazem mais sucesso no Rio Grande do Sul do que no Santos. Embora a torcida do Santos valorize mais os jogadores técnicos, atletas com o espírito de Sasha serão importantes para 2018. Há dois meses, uma das principais críticas que os torcedores alvinegros faziam era sobre a falta…

Opinião

Copinha, um balcão de negócios de baixo nível técnico

Inchada e marcada por um regulamento confuso, a Copinha precisa ser repensada com urgência. É difícil levar a sério a primeira fase de uma competição com 128 clubes – a maioria deles com nível técnico comparável ao do futebol de várzea. No formato atual, sobram equipes muito frágeis e sem qualquer condição de bater de frente com times minimamente organizados. Um dos exemplos do show de horrores é o Pinheiro-MA, o saco de pancadas do Grupo 17. Em apenas dois jogos, foram dez gols sofridos e apenas um marcado. Times como o Pinheiros vêm a São Paulo em condições precárias e sem a preparação adequada para competir com equipes em que os jogadores já são tratados como profissionais do mundo da bola. Quem mais se interessa pela primeira fase da Copinha são os empresários, ávidos para conseguir alguns trocados com jovens atletas. Esse abismo entre adversários resulta em goleadas impiedosas,…