Campeonato Brasileiro

Um clássico para iniciar um novo ciclo

Depois de um mês de euforia coletiva com a Copa do Mundo, torneio que reúne os maiores craques do planeta, está oficialmente de volta o Campeonato Brasileiro, aquela competição ordinária que nós amamos criticar, mas sentimos falta quando está ausente. Depois de tempos turbulentos, finalmente o santista pôde comemorar algumas boas notícias. As chegadas dos experientes Bryan Ruiz e Carlos Sánchez trazem perspectiva de melhora para o segundo semestre. Se terão grandes passagens pelo Brasil ou valerão o alto investimento feito por José Carlos Peres, é difícil saber de antemão. No entanto, é muito provável que rendam mais que as peças que atuaram no meio-campo alvinegro na primeira parte da temporada. Aparentemente, o longo período sem jogos do Santos não animou a torcida a encher as arquibancadas do Pacaembu no duríssimo duelo contra o Palmeiras, amanhã à noite. Até a noite de terça-feira, só 12 mil ingressos haviam sido vendidos….

Opinião

Excursão pelo México mostra que o Santos não tem ideia de como internacionalizar sua marca

Na semana passada, o Santos embarcou para o México com dois objetivos na bagagem: internacionalizar sua marca e proporcionar entrosamento aos jogadores durante a pausa para a Copa do Mundo. Não conseguiu nem uma coisa nem outra. Com todas as atenções do mundo da bola voltadas para a Rússia, a excursão pelo México não teve a visibilidade que o presidente José Carlos Peres imaginava. Na partida contra o Monterrey, apenas os santistas mais corajosos encararam o início de madrugada de domingo para ver uma atuação horripilante dos comandados de Jair Ventura. O amistoso contra o Querétaro, realizado há algumas horas, recebeu ainda menos atenção: não foi transmitido para o Brasil e não animou muito a torcida local, que ficou longe de encher o estádio Corregidora. Prova disso é que não faltaram assentos vazios na cancha mexicana. Embora alguns santistas mais românticos se neguem a enxergar o óbvio, é evidente que…

Opinião

Letargia

Lá se vão 20 dias desde que Bruno Henrique marcou um gol no fim do jogo contra o Fluminense e fez o Santos respirar antes da pausa para a Copa do Mundo. O intervalo serviria, em tese, para a diretoria avaliar se valeria a pena manter Jair Ventura após resultados irregulares, para o elenco se fortalecer fisicamente e, acima de tudo, para a diretoria anunciar contratações. Quem acompanhou aquela partida horrorosa no Maracanã sabia que, apesar da vitória, o time não chegaria a lugar algum jogando daquela forma e com aquelas peças. E o que se viu de lá para cá foi um completo estado de letargia no Santos. Esta profunda e prolongada inconsciência está estampada na falta de ação da diretoria no mercado de transferências. O Santos mostra interesse em uma série de jogadores – os nomes sempre vazam para a imprensa – e não consegue contratar ninguém. As…

Opinião

Nada mudou

Em entrevista coletiva concedida hoje, Jair Ventura mostrou felicidade por ter sido mantido no cargo de técnico do Santos e assegurou que o time vai voltar mais forte. Se as peças ainda são as mesmas e o elenco não foi reforçado, como isso vai acontecer? Na última semana, Ricardo Gomes, novo executivo de futebol, garantiu uma postura agressiva do Santos no mercado. O que se vê até agora não é nada disso. Pelo contrário. A pausa para a Copa do Mundo, ideal para reorganizar a casa, e a chegada de Gomes não mudaram o comportamento da diretoria no mercado. Os portais divulgaram hoje que José Carlos Peres se assustou com a pedida salarial do uruguaio Sánchez, que disputa a Copa da Rússia pela seleção uruguaia e teve ótima passagem pelo River Plate. O Peixe aceita pagar 90 mil dólares, enquanto o veterano pede 120 mil. Como sempre, uma negociação vazada que…