Copa Libertadores

Evolução ofensiva para não cair nas oitavas

Se diante do frágil Real Garcilaso o Santos não consegue marcar, o que podemos projetar para às oitavas de final, quando o adversário pode ser um Racing, um Independiente, um Boca Juniors ou um Flamengo? O Santos fez mais uma partida ruim e não conseguiu sair do 0 a 0 contra o time peruano. O Real Garcilaso, que terminou a primeira fase na lanterna do Grupo 6, veio à Vila Belmiro para se defender. E aí foi aquele sofrimento. O Peixe não tem conseguido emplacar boas apresentações em nenhuma condição, mas quando pega um adversário fechado, a situação é ainda pior. Desorganizado, o alvinegro ficou com a bola praticamente durante todo o jogo (72% de posse de bola), mas ninguém demonstrou saber o que fazer para furar as duas linhas defensivas, de cinco e quatro jogadores, respectivamente. O que se viu foram muitas tentativas de chutes de longa distância, entretanto…

Copa Libertadores

Derrota no Uruguai deixa recado para Jair: Santos precisa repensar sua forma de jogar

A notícia da classificação antecipada na Libertadores, consequência do empate entre Real Garcilaso e Estudiantes, parece ter mudado a postura do Santos pouco antes do início do jogo contra o Nacional, ontem à noite. O time de Jair Ventura entrou em campo com uma passividade irritante, sem criar absolutamente nada e permitindo que os uruguaios dominassem o jogo inteiro. É chover no molhado, mas não há como deixar de dizer que, no quinto mês de 2018, o Santos ainda tem um meio-campo sofrível. O Nacional fez o que quis nessa faixa do gramado e poderia ter anotado mais gols, principalmente se não perdesse um gol inacreditável em uma bola mal espalmada por Vanderlei. A falta de repertório do Santos em alguns momentos passa por Jair Ventura. Há algum tempo, é quase obrigatório ver o Peixe entrar em campo com três atacantes e três meio-campistas, mesmo quando um dos homens de…

Copa Libertadores

Reflexos de Rodolfo Rodríguez e vibração de Fábio Costa: a noite mágica de Vanderlei

Vanderlei contou com reflexos de Rodolfo Rodríguez e vibrou como Fábio Costa em uma das noites mais espetaculares que já viveu com a camisa do Santos. Ele se agigantou debaixo do travessão no estádio Centenário de Quilmes e operou milagres essenciais para que o Peixe conquistasse uma vitória que encaminha a classificação para as oitavas de final da Libertadores. Foram pelo menos quatro lances incríveis de Vanderlei contra o Estudiantes, com destaque para o último deles, aos 42 minutos da etapa final. Logo após afastar o perigo com a perna direita, abriu os braços, olhou para a torcida argentina e comemorou como se tivesse feito um gol. Identificado com o clube e pegando tudo há pelo menos duas temporadas, Vanderlei caminha a passos largos para cravar seu nome na galeria dos maiores goleiros da história do Santos. Há quem já o coloque no top 3 da posição nos quase 106…

Copa Libertadores

Em jogo com alma de Libertadores, Santos neutraliza expulsão de Gabigol com raça e brilho individual

No melhor jogo do Santos em 2018, o time compensou a expulsão infantil de Gabigol com uma raça que arrancou aplausos das arquibancadas. Dois jogadores que vêm em ótima temporada simbolizam bem essa entrega: Sasha e Alison. Logo após o apito final, Sasha despencou no gramado e, esgotado, precisou de alguns instantes para se recompor e cumprimentar a torcida. O cansaço é resultado de uma obediência tática rara. Ontem, o atacante correu pelo lado direito do gramado o tempo todo. Quando tinha a bola, sempre procurava fazer o mais simples, jogando em direção ao gol e buscando o passe para o companheiro mais próximo. Sem a bola, ajudava a formar o sistema defensivo e pressionava a saída de bola do Nacional. Chama a atenção o fato de um jogador de apenas 1,73m levar tanto perigo em jogadas de cabeça – ainda que com uma grande colaboração do goleiro do Nacional….