Geral

Os Melhores Lançamentos do 1º Tempo de 2017

Olar, tudo bom? Quanto tempo, vocês. Estava com saudades de vocês aqui, apesar de parecer que foi ontem que eu falei com vocês a última vez.

O pai estava ausente, nesse meio tempo rolou muita coisa. Me mudei de casa, adotei gato, crushei, descrushei, instalei e desinstalei o Tinder umas 80 vezes, fui para a Grécia, matei o resto dos deuses e titãs que restaram por lá, fui campeão da Champions League e da Libertadores, e claro, ouvi muita coisa nova.

A coisa mais clichê de todo ano é você ler que “nossa, nunca se lançou tanta coisa quanto nesse ano”. É óbvio que já lançaram, mas as pessoas continuam escrevendo esse tipo de coisa por motivo de preguiça  sim.

Baboseiras de lado, 2017 está sendo bem frutífero e se mostra próspero. Um verdadeiro tapa na cara de quem fica reclamando de que não tem nada novo e bom.

Animated GIF  - Find & Share on GIPHY

Sendo assim, separei o que de melhor passou no meu ouvido em 2017 até agora. Apertem os cintos meus querubins.


Acruz Sesper – Not Song As A Trio:

Alexandre Cruz, o Farofa ganhou notoriedade durante os anos sendo frontman do lendário Garage Fuzz e como artista plástico. Não satisfeito, Farofa se lançou em carreira solo, lançando esse discásso com um grande time ao seu lado.


Porno Massacre – É O Que Me resta?:

Caralho, como poderia ter me esquecido do Porno Massacre? Imperdoável!
Eles lançaram um EP com 3 faixas, mudaram a formação, e continuam tacando a Igreja Pornomassácrica por onde passam. Obrigatório você ver essa banda ao vivo.


Travelling Wave feat. The Mugris – Delenda Est:

Talentosíssimo 4 piece de shoegaz/dream pop lançou single colaborativo com os chilenos do The Mugris.


Faca Preta – Vida Dura:

O Faca Preta vêm se estabelecendo com um grande nome do Punk Rock Nacional. A banda foi escolhida à dedo para a coletânea Para Incomodar Vol.2 lançada pelo selo Semper Adversus, lançou essa faixa inédita, pegou o embalo e lançou esse clipão.


Manual – Uno/Múltiplo:

O Manual trocou de formação, se trancou no TOTH Estúdio e voltou com esse discásso. E aproveitando, lançaram clipe hoje para a faixa Miopia.


Surra – Tamo na Merda:

No melhor estilo Mazzaropi, o Surra lançou esse clipe feat. Meninos da Podrera. Dispensa explicação.


Color For Shane – Not A Embrio:

O Color For Shane é uma banda cool, que poderia estar tocando em festivais grandes”.Não sei onde eu li isso, mas a pessoa que escreveu isso está coberta de razão. E isso só se confirmou ainda mais com Not A Embriosegundo disco do Color For Shane. Disco que contou com participação de Juan Repiso (Chá de Vênus) e Felipe Gasnier, que além de tocar bateria eletrônica em uma das faixas, fez essa arte insana para a capa.


Versus Mare – Abre Essa Janela:

Os filhos de Diadema lançaram esse belíssimo clipe, super produção mesmo. A faixa faz parte do EP No Meio do Caminho, que foi lançado no começo do ano pela banda.


Lemori – Valores Inversos:

Os cearenses lançaram, sem dúvida alguma, um dos melhores discos de Hardcore Melódico do ano. E ainda teve esse clipão aqui ó.


Bullet Bane – Catálise:

Um dos maiores nomes do Hardcore Nacional, agora cantando em português. Particularmente estou ansioso para um disco novo.


O Grande Ogro – Eu Treinei:

O Power Trio Experimental/Instrumental mais porradeiro que você pode conhecer.


Chuva Negra – 33 Lobos:

Faixa lançada na 1º Coletânea da Flecha Discoscom uma mensagem que serve de alerta para todos nós. Especialmente para nós homens.

E pra variar, Chuva Negra arrebentando tudo. Sou fã.


Linha de Frente MC’s & MR-13 – Deixa Eu Chapar:

Conseguiram reunir os melhores nomes do Rap ABC nesse clipe e nesse som. Música que gruda na cabeça, pode tocar na pista, mas mantendo a postura em dia. Gravado na Vila São Pedro, em São Bernardo do Campo, comunidade que eu morei por 2 anos, e mostra que aqui a gente não vive só de Frango Com Polenta.

“A fumaça é diferente da Anchieta pra cá”


Aquatic Cities – Musicas Dançantes para Crianças Tristes:

Mulecada boa, gente fina e talentosíssima que ta começando agora. Conseguem se coçar sozinhos, são correria e estão metendo as caras. Lançaram esse clipe maneiro também.


Reinauguração Rising Power Estúdios: 

Pode parecer jabá da minha parte, colocando vídeo do meu canal aqui, mas a intenção é outra ou não. O André (Statues On Fire/Nitrominds/Musica Diablo) montou seu estúdio, o Rising Powerque inicialmente funcionaria apenas para ensaios. O cara teve a ideia de montar uma estrutura animal para shows, bebidas, rango exposições e etc. Nessa entrevista que eu fiz com ele você sabe um pouco mais de como funciona.


Voodoopriest – Mandu:

Um verdadeiro All-Star Team do Metal Brasileiro. Clipe com imagens sensacionais.


Mary Chase – Lucy:

Do tempo que eu comecei a falar de música, essa é uma das bandas que mais me chamou a atenção, e até hoje é uma das que eu mais gosto e sinto falta. Lançaram esse clipe pra gente matar a saudade, da faixa que está no disco Electric Dog Walk.


CHCL – Sem Freio:

Punk Rock à moda antiga. Sem frufru e mimimi.


Hellbenders – Predictable Ways:

No Stoner Rock do país, poucos fazem o que esses caras fazem. Bruto!


Carbo – In The Between:

Se pudesse colocar como revelação do ano, colocaria. Puta banda vinda de Volta Redonda, com pessoas que tocam o fino de seus instrumentos. Lançaram o primeiro disco de sua trajetória pela Dinamite Records, e ainda teve esse clipe parrudo aqui ó.


Lomba Raivosa – Carpe Lobem:

Verdadeiros exemplos à serem seguidos. Aconselho você comprar o disco, presentear sua tia e por pra tocar bem no almoço de domingo. Aproveita e mostra esse clipe pra ela.


Bayside Kings – Sober:

Sou totalmente suspeito pra falar dessa banda. Sempre com uma mensagem precisa, sem soar “auto-ajuda”, piegas ou picareta. O Bayside Kings é uma das poucas bandas que vivem o que falam, e o disco Resistance é a exclamação disso.


Nada Em Vão – Perdidos E Confusos:

Da série: Bandas que eu quero ver ao vivo. O Nada Em Vão vem na mesma pegada do Bayside Kings, mantendo em paralelo a linha do fazer/falar. Essa faixa é do EP Sempre Em Frente lançado no final do ano passado.


Que Fim Levou Valdir? – Até O Fim Pelos Nossos:

Com elegância, e ainda assim um atropelo.


Dipontaponta – Wolfmother:

O Rap ABC é um dos cenários mais recheados de talentos que eu conheço, de uma maneira geral. Dipontaponta é uma das provas disso.


Menores Atos – Mar Aberto:

Um dos nomes mais badalados do RJ hoje em dia. Não é por menos, olha isso né Brasil?


Zander – Bandida & Malvista:

Por falar em cariocas. O agora situado no ABC Paulista Zander aproveitou a paisagem de São Caetano do Sul e lançou esse clipe, enchendo os olhos de quem passa por todos os dias por esses mesmos lugares ouvindo o som deles.


Letty And The Goos – Ugly Demons:

Outra grande descoberta no ano. Banda de Pós Punk, com um ar cool e um som bem maneiro.


Project Black Pantera – O Ultimo Homem Em Pé:

Uma das bandas que vem se destacando bastante no circuito nacional, chegando até tocar no Download Festival Francês esse ano.


The Bombers – Mestre Jonas:

A melhor banda que você respeita, o carisma desses caras é algo fora do comum. Ansiedade para o show de amanhã do lançamento de Embracing The Sun.

E o mistério permanece: Quem é a baleia?


Mudhill – Expectations:

Profissionalismo define esses caras. Lançaram um dos melhores discos do ano passado, e continuam mantendo a boa foram. Lançaram recentemente um projeto acústico que vale a pena escutar.


OCRIMESA – Desova:

Grupo de Rap do ABC que estreou esse ano, mas parece que já tem uns 10 anos de carreira.


FUSA Records – Underground Voices:

Coletânea escolhida à dedo pela FUSA Records com nomes do calibre de Never Too Late, Antillectual – HOL, e La Marca.


Letall – Seres Obsoletos:

Verdadeiro tapa na cara da nossa maldita mania de endeusamento material.


Gio – Presente de Grego:

Outro grande nome do Rap ABC. Acabou de lançar esse disco dando uma verdadeira aula de mescla de estilos, tudo soando muito homogêneo e consistente. O Gio ainda participou de uma session, apresentando o som Benjamin Button.


Fujinaga – Guitarras, Video-Game e TV:

Pseudônimo do artista Deni Takeda, que bebe da fonte dos anos 90. Lançou esse disco de forma totalmente DIY, deixando bem claras suas influências.


Cmanau – Operário:

Essa banda sintetiza 100% o que é o ABC Paulista. Cada integrante de uma cidade da região, cada um com uma influência musical diferente. O resultado é muito flow, ritmo, mas sem deixar de lado a veia de protesto do Punk que cada um ali tem.

Arte da capa feita pelo incrível Flavio Grão.


Statues On Fire – Live @Truetone Records – Alemanha:

Fechando com chave de ouro, um show na íntegra. O Statues On Fire passou pela Europa no ano passado, divulgando No Tomorrow, seu segundo disco. Estacionaram na Truetone Records, tradicional rádio da cidade de Saarbrücken na Alemanha. O resultado foi isso, 60 minutos de tapa na nossa cara.


É isso, essa foi a Romper Stomper, que agora será mensal. Curtiu? Achou que faltou alguma coisa? Comenta aí que é nóis.

Cya!

Comentários

Comentários