Independentes 2018

PPA#106 – Documentário “Independente de Tudo” apresenta a cena pop punk de SP

Com a proposta de mostrar os bastidores das bandas de pop punk de São Paulo para o meio acadêmico, a jornalista Bárbara Araujo produziu o documentário Independente de Tudo. Apresentada como Trabalho de Conclusão de Curso, a produção contextualiza a cena atual do gênero e acompanha as bandas paulistanas Never Too Late e Dinamite Club.

“Sempre que surgia o assunto TCC nas rodas de conversas, eu achei que seria legal fazer sobre a cena independente. Na hora de decidir o tema, eu tinha muitas possibilidades anotadas, mas o pop-punk era a que mais atraía. Eu sentia falta de um registro sobre o estilo”, conta Bárbara.

A afinidade com as bandas do documentário facilitou os caminhos para o documentário. Assim como a vontade de mostrar para mais pessoas os “perrengues” enfrentados pelos os músicos independente. “Eu queria de alguma forma mostrar isso. Até porque é provável que tenha pessoas que gostam, mas não saiba como o trabalho é realmente feito”, explica.

Foto: Xinxilah Photos

Por meio de depoimentos dos integrantes de ambas as bandas, a jornalista de 23 anos consegue transmitir bem as motivações dos músicos para continuarem na estrada. “Todos eles contam que mantêm a banda por gostarem de se reunir. Acompanhando os ensaios e shows, então ficou muito claro como isso é real na prática. Foi marcante ouvir, ver e sentir quanto eles gostam do que fazem”, comenta Bárbara.

Independente de Tudo ainda conta com entrevista com pessoas envolvidas com a cena, como produtor Gab Scatolin e o Dedeco da banda carioca Dibob. Junto com os músicos da Dinamite Club e Never Too Late, eles ajudam a contar a história da cena pop punk desde o começo dos anos 2000 até hoje.

Foto: Murilo Amancio

Após finalizar a produção, Bárbara diz que sua admiração pela cena e pelas bandas só aumentou. Principalmente, ao observar de perto as dificuldades que elas enfrentam. A jornalista comenta que a solução para termos uma circuito de shows ainda melhor são os fãs deixarem a internet e começarem a frequentar os shows.

“Nós temos um número ok de bandas que estão na ativa, fazendo o trabalho delas. Isso é o principal. Acredito que se as pessoas saírem de casa e irem aos shows, consequentemente a estrutura melhora”, opina.

Assista ao documentário Independente de Tudo:

Comentários

Comentários