Restaurantes e bares

Reduto português, Bar Goiás faz 50 anos mantendo a tradição

Com uma das calçadas mais concorridas da Cidade, o Bar Goiás completou 50 anos esta semana. Famoso por seu bolinho de bacalhau, é ponto de encontro da comunidade portuguesa e seus descendentes. Em dias de jogos da seleção portuguesa, por exemplo, transforma-se em um pedacinho da terrinha em solo santista.
Entre os segredos está manter a tradição. Na era da explosão das hamburguerias na cidade, ali ainda reina o bauru (R$ 14), o sanduíche de calabresa com vinagrete (R$ 16) ou o mignon com queijo no pão (R$ 25). Um dos diferenciais é que a cozinha só trabalha com filé-mignon e com bacalhau do tipo Gadus morhua  São 100 quilos por mês. “Até mesmo para o bolinho, usamos o Gadus morhua. Compramos de caixa da Noruega”, conta o proprietário Fernando Rodrigues Andrade Mendes.
São cerca de mil bolinhos por semana. A unidade sai R$ 6, mas a dúzia sai R$ 60, com dois de brinde. Para acompanhar, a pimenta feita na casa, que também é comercializada (R$ 20, o pote).
Outro sucesso são os pastéis (R$ 7 cada), em nove sabores. Os de bacalhau e camarão fazem sucesso, como o de calabresa ou carne seca com catupiry. “Nossas receitas são de família”, diz Fernando, que toca o negócio com a mulher, Emília e o filho, Rafael, de 33 anos, que foi criado no local, mas entrou oficialmente na sociedade há 12 anos.
Fernando fala com orgulho do bacalhau que prepara. “Ninguém faz igual em Santos. Bacalhau alto, feito no azeite e com um molho acebolado com vinho branco e batatas portuguesas. Aprendi a fazer em Portugal”, conta. O prato sai R$ 169 para duas pessoas.
Rafael tem incluído novidades na casa. “Não quero mudar o que é tradicional, só acrescentar um cuidado a mais no serviço, por exemplo”. Entre esses detalhes de atendimento está o de enviar um bilhete de agradecimento escrito à mão nos pedidos de delivery, muitas vezes com um brinde da casa que pode ser um dos famosos bolinhos ou uma canequinha personalizada.
Aliás, a caneca foi uma ideia dele. O cliente pede uma bebida destilada como a cachaça mineira (R$8), o steinheger (R$ 8) ou a bagaceira (R$ 10) e ganha a caneca.
De terça a quinta, das 17h às 20h, a casa tem happy hour, com double cerveja. Compra uma e leva duas de qualquer marca. “Deu muito certo. Os clientes vêm direto após o trabalho.”
Mas não é só de especialidades portuguesas que se faz o menu do Goiás. Um dos pratos mais vendidos é a feijoada de sábado (R$ 75, para 2 pessoas) e o frango assado (R$ 40, com farofa e batata) aos domingos, quando o restaurante tem outros assados na churrasqueira.
“Temos clientes que já estão na quarta geração, assim como nós estamos seguindo para ela. Minha neta, de 5 anos, já gosta de colocar o avental e ajudar. Fica toda feliz em vir aqui”, conta orgulhoso o avô Fernando.
Serviço: Bar Goiás (Av. Washington Luiz, 371, Santos). Funcionamento: de terça a domingo, das 9h à 0h

Texto: Fernanda Lopes

Fotos: Alexsander Ferraz

4 comments

  1. Roberto

    O endereço informado na reportagem está errado.

    1. Fernanda Lopes Post author

      Já arrumamos. Obrigada pela informação.

  2. Rui Mealha

    SR. Fernando basta manter o paladar Português, que casa Goiás se aguenta mais 50 anos. Grande abraço para todos vocês merecem.

  3. Rui Mealha

    Brevemente vou atravessar o Atlântico para ir ao bar Goiás para bem da minha saúde. …

Comments are closed.