Reformas previdenciárias

Governo insiste em reforma previdenciária com novo recuo

O governo insiste que colocará em votação, logo após o Carnaval, a reforma previdenciária. E já anuncia “um pacote de mudanças” para negociar. A falta de vergonha é tamanha, que a negociação pretendida é em troca de votos. Estará no pacote a mudança que garantir votos na aprovação da reforma. Falam em favorecimento de grupos específicos que disponham de votos no Congresso Nacional. Seriam policiais e setores dos servidores públicos: manteriam diferenças, ou quiçá privilégios, se as corporações garantirem votos para aprovar o resto das maldades.

Conforme este blogueiro salientou bastante, os reformistas não abrem mão da extinção da aposentadoria por tempo de contribuição, através da idade mínima coincidindo com a exigência para a aposentadoria por idade, e de um novo cálculo ainda mais prejudicial a todos os trabalhadores. A equiparação dos regimes previdenciários (INSS e servidores públicos) já aconteceu em 2003, restando apenas as regras de transição que o atual governo não quer respeitar.

Depois do Carnaval, as negociações poderão ser vergonhosas, mas continuam as perversidades como o impedimento de receber aposentadoria e pensão por morte. A propagando governamental é enganosa, apresenta sua proposta “desidratada”, bem reduzida, como se não existisse o amplo saco de maldades na proposta original. Continuam anunciando o “déficit previdenciário” com números que não se explicam; misturam os gastos da seguridade social, inclusive saúde e assistência social, apenas com as contribuições próprias da previdência. E não conseguem negar que o que pretendem mesmo é o fim da nossa Seguridade Social, abrindo o maior espaço para o capital financeiro internacional.



2 comments

  1. Aguinaldo Estevam Pereira

    dr
    faltam 7 meses para dar entrada na aposentadoria por tempo de contribuição, se aprovar essa maldita reforma eu serei atingido?

    1. Sergio Pardal Freudenthal Post author

      Oi, Aguinaldo, vamos resistir.
      Pardal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *