Aposentadoria por invalidez

Aonde chega a desumanidade nas perícias médicas

Conforme falamos nas últimas semanas, o “arrastão pericial” atingiu o cume da maldade convocando aposentados por invalidez há mais de cinco anos, e distribuindo “altas” sem observar minimamente a realidade de cada um e as condições de retorno ao trabalho.

A extinção destas aposentadorias por invalidez custam não apenas o pagamento por parte do INSS, de dezoito meses com redução, mas também a recolocação dos trabalhadores nas empresas empregadoras. Se a invalidez decorreu de acidente do trabalho e seus assimilados, ainda cabe a garantia de emprego por doze meses. E, de qualquer forma, ao despedir o inválido retornado, são devidas as verbas rescisórias, inclusive os 40% sobre o valor do FGTS, mesmo que tenha sido sacado na concessão da invalidez. Portanto, no campo do direito trabalhista a confusão não será pequena. Parece que é exatamente o que pretende o atual desgoverno.

Sempre vale destacar algumas ocorrências que infelizmente são reais. Determinada a alta do mecânico de grande oficina, aposentado por invalidez em razão de um grave câncer no sistema digestivo, que resultou em carregar um saco acoplado à sua barriga, coletando para sempre suas fezes. “Afinal, afirma o tecnocrata, a tecnologia permite que ele tenha uma vida absolutamente normal”; manuseando suas necessidades em condições absolutamente indevidas. Porém, mais vergonhoso ainda é o caso da faxineira que perdeu os seios, em razão de um câncer, e assim, carrega dores e dificuldades para a realização de seu ofício. Pois foi também considerada apta para o trabalho, apesar de aposentada por invalidez há quase dez anos, e o jocoso comentário do “estatístico”, apenas consolida a falta de vergonha: “Se ainda fosse uma atriz pornô, aí sim, teria inaptidão para o trabalho…”



3 comments

  1. Miro Tuan

    BOA TARDE, DR SÉRGIO LAMENTÁVEL TAIS ALTAS. QUE OS PREJUDICADOS RECORRAM A JUSTIÇA O MAIS BREVE POSSÍVEL E BOA SORTE PARA OS CASOS SERÃO REVERTIDOS APÓS NOVA PERÍCIA JUDICIAL QUE É MAIS HUMANA.
    ABRAÇO

  2. ANTONIO

    BOM DIA

    GOSTARIA DE ACREDITAR QUE A PERÍCIA JUDICIAL SERIA MAIS HUMANA, MAIS DEPOIS DE PASSAR POR UMA A POUCO MAIS DE 20 DIAS, FICOU VISÍVEL QUE OS MÉDICOS INTITULADOS PERITOS, INDEPENDENTE DE SEREM DO INSS OU DESIGNADOS POR JUÍZES, SÃO TOTALMENTE DESUMANOS, CONTRARIANDO PRINCÍPIOS BÁSICOS DE RESPEITO E JUSTIÇA, APENAS BENEFICIANDO OS MAIS PODEROSOS.

  3. José Marcelo

    Lamentável,eu era motorista e ônibus sofri uma trombose e hoje com sequelas sérias tenho limitações de movimento nos membros inferiores com tratamento inonterrupto a 9 anos e sem melhoras,apresentei um laudo na perícia e o perito foi bem tendencioso em me dar alta . Estou aposentado a sete anos e agora tive alta. A empresa que eu trabalhava não existe mais. Nem sei o que fazer. Me indicaram o melhor advogado previdenciário da baixada santista e começo a ver uma luz no fim do túnel, pois na época eu tentei voltar ao trabalho mas nem.o médico da empresa me aceitava de colta só de olhar as minhas pernas,coisa que o perito do INSS nem no meu rosto olhou. Só perguntou se eu tinha um relatório e eu levei todos os meus exames e ele nem se quer quis saber de perguntar se eu tinha,issomprova a tendência de dar alta a todos .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *