Aposentadoria especial

Ruído no trabalho dá direito à aposentadoria especial

O agente nocivo físico que mais se contabiliza nas áreas industriais é o ruído, ainda caracterizando o direito à aposentadoria especial, com 25 anos trabalhados com a exposição habitual e permanente. Duas lutas se formaram a partir da nova legislação entre 1995 e 1998: o limite mínimo, entre 80 e 90 decibéis (dB), e a utilização dos Equipamento de Proteção Individual (EPI).

Sobre o EPI, a vitória foi dos trabalhadores no STF (com alguma participação deste blogueiro advogado), e o limite de ruídos ficou estabelecido – com uma decisão estapafúrdia do STJ – em 80 dB até 05/03/1997, 90 dB entre 06/03/1997 e 18/11/2003, e 85 dB a partir de 19/11/2003. Neste tema ainda estamos tentando chegar ao STF, buscando a correta delimitação dos decretos. Temos inclusive muitas matérias e posts neste blog sobre os assuntos. A grande dúvida atual está nas informações de empresas empregadoras que sonegam a contribuição de 6% para a Previdência Social. O PPP – Perfil Profissiográfico Previdenciário – é obrigação do patrão, e deve corresponder ao LTCAT – Laudo Técnico sobre as Condições no Ambiente do Trabalho – que deve ficar à disposição do INSS. Ocorre que, além das mentiras patronais tão constantes, com o maquinário desligado para medir os ruídos laborais, a autarquia interpreta contra os trabalhadores, negando os benefícios e deixando de cobrar a contribuição devida.

Em muitas ações judiciais contra o INSS, em busca de aposentadoria especial, têm sido determinadas perícias nos locais de trabalho, sobre as condições insalubres e periculosas, bastante favoráveis aos trabalhadores. As áreas industriais brasileiras não são objetos de orgulho, especialmente em relação aos ruídos. Em galpões industriais, com máquinas operatrizes, como torno-mecânico, fresadoras, plainas e prensas, as medidas em decibelímetros apontam variações em cada máquina ou boxe operacional. Os tribunais estão utilizando a média simples destas medidas, que na grande maioria das vezes é favorável aos trabalhadores,  mas não representa a realidade. Afinal, os ruídos industriais em galpões se somam, mas não se dividem para formar a média.



4 comments

  1. Walkyria de Fatima Gomes

    Boa tarde Professor,
    Com muito custo, consegui o PPP de uma empresa para meu cliente. Neste diz que trabalhou sob ruído de 91 dB no período de 05/05/1986 a 18/09/1989. Porém, a empresa forneceu somente o PPP não fornecendo o LTCAT. Na IN 75 diz que a Previdencia deve aceitar o PPP, porém, o servidor insiste na juntada do LTCAT o qual a empresa NÃO fornece. Seria melhor nesse caso ingressar com ação trabalhista de obrigação de fazer contra a empresa?

    1. Sergio Pardal Freudenthal Post author

      Oi, Walkyria, a lei exige apenas que o trabalhador apresente o PPP. Quem deve requerer o LTCAT para a empresa empregadora é o próprio INSS, que tem o dever de fiscalizar. Se negar o benefício, cabe ajuizar ação contra o INSS.
      Pardal

  2. Rogerio Alves

    Bom dia, estou tentando juntar documentações para minha aposentadoria e gostaria de uma ajuda em como consigo a PPP de uma empresa que trabalhei a 20 anos atrás?
    Desde já muito obrigado.

    1. Sergio Pardal Freudenthal Post author

      Oi, Rogerio, os documentos devem ser exigidos na rescisão do contrato. Passados 20 anos será muito difícil.
      Pardal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.