domésticos

E mudou a previdência das domésticas

Realmente ocorreram alterações na previdência social das domésticas, e não foi apenas a contribuição patronal. É bom destacar que os empregados domésticos tem sua definição na legislação previdenciária e contribuem para o INSS como os outros empregados e os trabalhadores avulsos, em 8%, 9% ou 11%, de acordo com seu nível salarial; já a contribuição do empregador, diferente das empresas, estava em 12%. Fazia-se, inclusive, alguma confusão com as obrigações dos contribuintes individuais, 20% e através de carnês. É verdade que muitos patrões contribuíram em 20%, a soma das duas obrigações, sem descontar nos salários de seus empregados, mas até os códigos são diferentes. Com a aprovação da nova regulamentação do trabalho doméstico, consolidam-se muitas conquistas, passando inclusive a ter o reconhecimento de acidentes do trabalho. Assim, a contribuição previdenciária dos patrões domésticos foi reduzida de 12% para 8%, mas em compensação deverá acrescentar 8% para o FGTS (Fundo de…

domésticos

Ainda os domésticos

Na semana passada eu falei sobre a conquista dos direitos trabalhistas e previdenciários para os empregados domésticos através de uma emenda constitucional e também sobre a necessária regulamentação destes novos direitos. Os projetistas da regulamentação insistem no engano de reduzir a contribuição previdenciária patronal mas pelo menos esclareceram a questão do FGTS. Os jornais deste fim de semana apresentaram na mesma página a defesa da redução na contribuição patronal, de 12% para 8%, e a tecnocracia planaltina se queixando do aumento no “rombo da Previdência”.  São as contradições da economia, acenam com facilidades para o patrão doméstico enquanto “cantam” a necessidade de “aumentar a idade mínima para aposentadoria para lá dos 70 anos”. Eu não vejo nenhuma razão para diminuir a contribuição; atualmente a grande maioria dos patrões domésticos paga 20% sem descontar da empregada (seriam 12% do patrão e 8%, 9% ou 11% da empregada). Principalmente porque isto só…

domésticos

Empregados domésticos

Como já comemoramos neste blog, nada mais justo do que a equiparação dos direitos trabalhistas e previdenciários dos empregados domésticos. A Constituição Cidadã de 1988 havia mantido algumas diferenças inaceitáveis, vencidas agora. Uma boa parte das dúvidas e regulamentações necessárias são da área trabalhista, em que este advogado não atua há uns quinze anos, mas em assuntos previdenciários e comuns dos dois, sempre arriscamos um pouco. Acidentes do trabalho e o FGTS são duas novidades que serão regulamentadas e suscitaram inclusive algumas bobagens. Para o seguro de acidentes do trabalho (SAT), previsto na Constituição de 1988 e agora estendido para os empregados domésticos, a mim parece simplificada a sua regulamentação, bastando incluir mais 1% na contribuição patronal, com os empregados passando a ter direito também ao auxílio-acidente. O Seguro de Acidentes do Trabalho tem a contribuição de 1%, 2% ou 3% de acordo com os riscos de acidentes do trabalho,…