Futebol

Goleiro Dida quer voltar a jogar futebol

Dida treina futebol de areia com o Milan e espera uma proposta para voltar a jogar no Brasil

Preparar um texto de introdução sobre a entrevista que fiz com um dos maiores goleiros da história não é tarefa fácil. Ao conversar com Dida na última quinta, em Mongaguá, pensava em mil maneiras de resumir sua carreira cheia de glórias em apenas dois parágrafos. Decididamente, apenas os editores do Wikipedia conseguem realizar tal feito. Por isso, antes de você ler o bate-papo que tive com o arqueiro de 38 anos no último sábado, preste atenção na lista de títulos dele.

No Vitória, foi campeão baiano em 1992. No Cruzeiro, venceu a Copa Libertadores da América de 1997, Copa do Brasil de 1996 e Campeonato Mineiro em 1994, 1996, 1997 e 1998. Já no Corinthians, conquistou o Mundial de Clubes de 2000, o Campeonato Brasileiro de 1999, Copa do Brasil e Torneio Rio-São Paulo em 2002. No Milan, teve o Mundial de Clubes de 2007, Uefa Champions League e Supercopa Europeia em 2003 e 2007, Campeonato Italiano e Supercopa da Itália em 2004. Pelo Brasil, ganhou a Copa do Mundo de 2002, Copa América de 1999 e Copa das Confederações em 1997 e 2005.

Você veio na cara e na coragem para o futebol de areia disputar o Mundialito pelo Milan? Como foi sua adaptação?
A primeira experiência está sendo essa agora. É uma coisa muito diferente, a qual estou tentando me adaptar o mais rápido possível para ajudar a equipe. Muda bastante, pois estou habituado ao campo, ao gramado. Areia é diferente. Tenho que ter outro posicionamento, na areia eu escorrego muito, falta aderência, mas é questão de adaptar e ajudar o Milan.

Goleiro é um dos maiores da história do Milan

Qual sua expectativa para o futebol de campo? Vai voltar a jogar? Há dois anos você saiu do Milan e está sem clube.
Eu voltei para o Brasil justamente para ver se consigo encontrar uma equipe e ter uma boa proposta para que eu possa continuar jogando e consiga me despedir dos gramados, até porque já estou com 38 anos. Mas se não conseguir o que desejo, paciência, pois jogo futebol desde os 15 anos de idade. Só espero que aconteçam coisas boas comigo.

Sente saudade das concentrações e do clima dos jogos?
Sempre dá saudade, com certeza. Quando se vive tanto esse esporte, fica muito difícil largar a rotina. Eu já estou me preparando para largar o futebol, mas quando se fica tanto tempo distante, é claro que sente muito.

Você acompanha o dia a dia do Milan, mesmo morando no Brasil?
Tenho contato com o pessoal sim, até por isso a diretoria me chamou para ajudar o Milan no Mundialito de Futebol de Areia. E acompanho as notícias e os jogos do clube.

O que te marcou mais na passagem pelo Milan?
Tudo foi especial em minha passagem pelo Milan. Uma experiência muito boa para mim, tanto no contato e carinho do torcedor, dos dirigentes, amigos, colegas de trabalho. Tudo isso ajudou demais em meu crescimento. Era realmente uma grande família e espero que o clube siga assim, sempre.

O que você, um dos quatro únicos homens do mundo que venceram Libertadores da América e Uefa Champions League, pode dar de conselho para Neymar?
O futebol sul-americano é diferente do europeu. São duas maneiras diferentes de ver o esporte, com suas características específicas. Você aprende demais jogando fora. Só que depende muito. Tivemos grandes jogadores na história do Brasil que não precisaram sair daqui para conquistar títulos e mostrar o quanto jogavam bem. Vai de cada um. Se ele seguir assim, terá todo mundo de olho nele, que é o que acontece hoje. Mesmo no Brasil, ele pode crescer.

No seu caso, valeu a pena ir para a Europa?
Para mim foi importante demais. Tive excelentes professores por aqui, mas era uma questão de sair do Brasil, conhecer outro país, aprender mais coisas que vão além do futebol. Tática, métodos de treinamento… Sem contar que jogar lá fora me ajudava demais na hora de vestir a camisa da Seleção Brasileira. Porque eu entrava em campo já sabendo quem eu enfrentaria do outro lado, já tinha jogado contra o atacante adversário em algum campeonato europeu.

Veja outras entrevistas no Blog Futebol Internacional
Santista Breitner a um passo da convocação pela Venezuela
Brasileiro Davi faz a diferença e lidera campeonato na China
Marcelo crê em título do PSV e aconselha Neymar a se mudar para a Europa
Sérgio Soares quer o título japonês de 2012



1 comentário

  1. Gabriel

    o que foi feito do dida?
    ele esta sen clube
    ass :treinador de goleiros torino (italia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *